• Instituto Farol

Importância do jogo simbólico

Atualizado: Jun 24

De acordo com Jean Piaget (1975) a competência de distinguir os significantes dos significados consiste na função simbólica. A partir dela a criança desenvolve a habilidade de representar um significado (objeto, acontecimento) através de um significante diferenciado e apropriado para essa representação. Tendo em vista essa habilidade é possível desenvolver também jogos simbólicos, mais conhecidos como brincadeiras de “faz de conta”.

Essa habilidade é extremamente importante já que, a partir da sua utilização, torna-se possível expandir as competências de raciocínio, desenvolvimento mental e cognitivo, uma vez que além do ambiente físico a imaginação e a abstração da criança também serão trabalhadas. O jogo simbólico também é fundamental para o desenvolvimento da compreensão, da modalidade oral, da comunicação e de alguns outros aspectos relacionados à linguagem. 



De acordo com estudos, crianças com autismo, na maioria das vezes, apresentam um maior interesse por objetos e por brincadeiras repetitivas, dificultando o desenvolvimento do jogo simbólico. Por isso é muito importante estimulá-las no desenvolvimento dessa habilidade, uma vez que ela potencializa suas oportunidades de aprendizado em relação ao mundo social, sobre como agem as pessoas e como funcionam algumas ações cotidianas. O jogo simbólico é frequentemente uma imitação da realidade, por isso, ele auxilia no desenvolvimento da observação e da imitação. Isso permite trabalhar o pensamento abstrato e fingir experienciar o que o outro experimenta.

Uma dica para estimular o jogo simbólico:

Utilize materiais não convencionais para imitar objetos, por exemplo, um pedaço de madeira pode ser um avião e uma colher pode se transformar em uma catapulta. É importante também treinar ações rotineiras com objetos, como dar comida para os bonecos e escovar os dentes em seguida, transportar peças com um carrinho de mentira e até mesmo levar os animais para tomar banho.


Referências:


Piaget, J. (1975). A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação (Cabral, A.; Oiticica, C.M., Trad.). 2a Ed. Rio de Janeiro: Zahar; Brasília: INL. 370 p.


ROGERS, Sally J.; DAWSON, Geraldine; VISMARA, Laurie A. Autismo: Compreender e Agir em Família. Lidel. 2015.


UZUN DE FREITAS, Maria Luisa de Lara. A evolução do jogo simbólico na criança.Ciênc. cogn.,  Rio de Janeiro ,  v. 15, n. 3, p. 145-163, dez.  2010 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212010000300013&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  11 mar. 2019.


#imitação #denver #Importânciadojogosimbólico #desenvolvimento #jogosimbólico #autismo #açõescotidianas #fazdeconta

0 visualização

Telefone: (48) 3085-0005

E-mail: contato@institutofarol.com

Endereço: A. Pequeno Príncipe, 1482
Campeche, Florianópolis - SC - 88063-000

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube

FAROL NAS REDES SOCIAIS

© 2020 Instituto Farol